Quem sou eu

Minha foto
Sou um antropólogo brasileiro especializado em temas educacionais. Meus trabalhos focalizam as relações existentes entre a educação escolar e outras esferas da vida social. Atualmente, desenvolvo pesquisas sobre estratégias familiares e projetos de escolarização nas camadas populares das cidades do Rio de Janeiro e Petrópolis, ambas no Brasil. A abordagem inclui reflexões sobre a educação básica e o ensino superior. O debate sobre a construção social das juventudes é privilegiado porque permite interpretações refinadas sobre as relações entre educação escolar e expectativas de futuro. Trabalho no Departamento de Fundamentos da Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro-UFRJ onde ensino antropologia e sociologia da educação, além de orientar estudantes interessados no debate entre ciências sociais e educação.

terça-feira, 19 de março de 2013

Chuva e tragédia na Serra: visão de um petropolitano.


Ontem pela manhã fui surpreendido com a cobertura da imprensa sobre mais uma tragédia na cidade serrana de Petrópolis-RJ. Depois de ler as matérias jornalísticas, liguei a televisão e não se falava de outra coisa. Naquele momento, o prefeito da cidade apresentava a grande culpada pelo desastre: a chuva ou as chuvas de março.

Sou Petropolitano e vivi intensamente todas as tragédias que ocorreram na cidade desde a década de 1970, quando nasci. Já vi de tudo: casas caindo, amigos morrendo sufocados por barreias ou afogados nas enchentes, pessoas desesperadas por perderem seus entes mais queridos. Na pior das enchentes, a de 1988, pelo menos era a pior até a dessa semana, boa parte de minha família ficou desabrigada. Alguns perderam suas casas e outros corriam o risco de perdê-las. Aquela enchente foi democrática. Atingiu todos com a mesma intensidade, dos bairros mais ricos aos bairros mais pobres. A tragédia e a miséria que a procedeu uniu pessoas antes separadas por fronteiras de classe e “raça”, marcadamente presentes no contexto petropolitano da década de 1980. É claro que após o fim da tragédia tudo voltou ao “normal”.

Bom, meu objetivo aqui não é falar dos modelos de estratificação social presentes em Petrópolis. O que quero é externar minha surpresa por saber que a maior culpada pela tragédia (a atual e as anteriores) é a chuva. Incrível saber disso porque nunca imaginei que uma cidade montanhosa, onde as montanhas têm uma “capa de terra” de mais ou menos um metro; uma cidade cortada por rios os mais diversos e que recebe chuvas o ano inteiro poderia ser vitimada pela chuva. Ninguém imaginaria isso, não é mesmo!

Pois bem. Vivo no Rio de Janeiro faz 15 anos, mas mantenho estreitas relações com a cidade de Petrópolis e fico cada vez mais surpreso com o crescimento do município.  Algumas áreas que eram totalmente descampadas em minha infância hoje são ocupadas por dezenas, centenas de casas. Há alguns espaços em que todos, inclusive os moradores, sabem que haverá desgraças durante as chuvas. Mesmo assim, os moradores não saem de lá e os poderes públicos fecham os olhos até que a tragédia anunciada aconteça. Este fenômeno ocorre em vários espaços da cidade, inclusive nas áreas de proteção ambiental, que são, em tese, protegidas.

O discurso político partidário enfatiza que as pessoas têm direito à moradia e isso é óbvio e ululante. Porém, há outro direito inalienável que deve ser respeitado antes mesmo do direito à moradia. Trata-se do direito à vida. Quando uma família finca uma casa em um lugar que tem 90% de chance de sofrer inundações e ou deslizamentos, os poderes públicos tem que agir e retirar esta família de lá para que a família tenha seu direito à vida respeitado. Infelizmente não é o que vemos. Dezenas de famílias continuam vivendo em locais de alto risco, o lixo continua lá, o esgoto sanitário é despejado livremente na natureza, etc.

Uma das melhores iniciativas das décadas de 1970/1980 para a resolução deste tipo de problema foi a criação de conjuntos habitacionais construídos pelo sistema BNH (Banco Nacional de Habitação). Há muitos críticos ao sistema, principalmente ao fato dele ter priorizado moradias verticais em detrimento da tradição petropolitana que prioriza moradias horizontais. O fato, em minha visão, é o seguinte: o sistema BNH permitiu que famílias populares tivessem acesso à casa própria em locais seguros. Todos foram construídos por empresas que realizaram estudos sobre a topografia de Petrópolis e propuseram alternativas preventivas para as chuvas e os deslizamentos. Resultado: as pessoas vivem bem e seguras. Ambos os direitos estão garantidos: à vida e à moradia.

Depois de ouvir a fala do prefeito e descobrir que a culpada foi a chuva eu fiquei pensando. Será que a prefeitura da cidade recolheu e processou o lixo como deveria ter feito? Realizou obras de contenção de encostas onde era necessário? Combateu o assoreamento dos rios como deveria ter combatido? Retirou e acolheu famílias que por conta de questões diversas estão vivendo em áreas de altíssimo risco? Fiscalizou a ocupação desenfreada de áreas de proteção ambiental? Modernizou o sistema de esgotamento sanitário?

Eu, particularmente, sou contra o discurso que culpa a natureza pelas tragédias. É claro que as mesmas águas de março que inspiraram Tom Jobim são capazes de causar muita destruição. Porém, se os homens fizessem o dever de casa, seria bem mais fácil resistir e conviver com a força das águas. Eu realmente gostaria de ver um trabalho preventivo ocorrendo de fato porque não vejo a hora de parar de contabilizar os amigos perdidos e as vidas destruídas. Eu poderia apresentar uma lista, mas seria triste demais. Afinal, qualquer petropolitano tem também sua listinha e sabe bem como é terrível não poder apagá-la.

4 comentários:

  1. É realmente lamentável ouvir da boca dos nossos "governáveis" que a chuva é a culpada... Assim como a culpa da poluição do planeta é do planeta, por ele ser redondo...

    Aproveito para perguntar: ainda tem algum representante da "família real" morando em Petrópolis?? Pergunto isso porque tenho familiares que moram na cidade e me disseram que ainda hoje pagam o laudêmio aos descendentes "reais"... Não consigo entender esse imposto...

    Mais um imposto pago e como sempre, nada ou quase nada é feito pelo povo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Patrícia, você tem toda razão. Temos que tomar cuidado porque em breve alguém inventará um imposto permanente para combate à chuva.

      Excluir
  2. Claro que todos habitantes ficam surpresos em relação a quantidade de chuva que cai nos períodos frequentes,mas realmente não só como a prefeitura de Petrópolis e de outros serranos não tomaram providência alguma para ajudar a população....verbas foram dadas e não usadas devidamente.Um exemplo está na minha própria família:a namorada do meu primo mora em Cuiába,e desde a tragédia anterior até hoje a família composta por 7 pessoas ainda residem no mesmo na mesma casa com medo de que tenham que subir novamente para o telhado e presenciar seus pertences e uma parente querida ir chuva abaixo....!!!Cadê o aluguel social???..cadê as doações que não chegaram até hoje????..isso também deve a falta de humanização pelo próximo,quantas e quantas vezes presenciei a cena de vir para meu bairro com pessoas contratadas temporariamente pela Comdep carregando caixas e caixas de doações,entre elas roupas e comida,sendo que minha família fez mutirão para fazer até mesmo bolo,café,pipoca para meu primo levar para ela.
    Enfim além da tristeza temos que encarar fatos como esse,inclusive um prefeito dito ''correto'' sem droga nenhuma falar algo que já sabemos:''VERBA DO GOVERNO DADA,É VERBA NÃO UTILIZADA''!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O mais curioso é que não houve nenhum tipo de prestação de contas com relação às verbas cedidas pelo Governo do Estado. Agora, o governo acena com mais um montante de verbas. Deveria acenar também para a necessidade de controle público destes gastos, com prestação de contas e fiscalização por parte da população.

      Excluir